Tags

, , ,

Cartas
Colômbia – capital bogotá

A época? Início do século XX. O lugar? Alguma cidade da Colômbia. Situação política? Ditadores alternam-se no poder. O protagonista? Um ancião, homem solitário, solteiro, telegrafista aposentado e jornalista atuante, escritor eventual de críticas musicais e cronista semanal do jornal em que trabalha há décadas. O improvável? Ao completar noventa anos, decide dar um presente a si mesmo uma noite de amor com uma virgem.

Durante sua vida, habituara-se à solidão e ao sexo com prostitutas. Nunca amara, o relacionamento mais longo, puramente sexual, fora com uma empregada que, no auge da decrepitude, ainda limpava sua casa. Pois este homem, conhecido como sábio, professor, há décadas fora noivo de uma mulher bem mais jovem, que fugiu com outro, no dia do casamento. Em dado momento, ele diz que o sexo o impedira de amar. Resolvera escrever um livro sobre as centenas de prostitutas com quem fizera sexo. Escreveria “Memória de Minhas Putas Tristes”.
Os personagens estão invertidos, o velho, ao encontrar a garota dormindo docemente, resolve não desperta-la e contenta-se em passar noites apenas dormindo com a jovem, o velho descobre-se como um jovem de 15 anos, virgem e apaixonado, que dormia profundamente, e acorda para a vida aos 90 anos. O sentimento que nos desperta ao reconhecer a paixão e doçura do velho jornalista que descobre o amor pela primeira vez aos 90 anos, é um sentimento de revigoração, e de como ás vezes nos contentamos em coisas secundárias, como escreve o próprio Gabriel Garcia Marquez em trecho do livro: ” sexo é o consolo quando o amor não nos alcança” .
O que significa a velhice? É um simples fato numérico, contado aos cinqüenta, relembrado aos sessenta e temido aos setenta, ou algo que implica naquilo que somos, em nossas atitudes e perspectivas sobre o mundo?
É esta a indagação que Gabriel Garcia Márquez faz nesta obra que contribuiu para reafirmar seu prêmio Nobel de Literatura.

Anúncios