Tags

, , , , ,

A socióloga e economista Tânia Bacelar será agraciada com o Troféu Tejucupapo – Mulher Nordeste VinteUM.   A entrega do prêmio acontece no dia 06 de junho, às 19h, no Cinema da Fundação Joaquim Nabuco, no Recife.

O troféu, segundo o diretor-presidente da revista Francisco Bezerra, é um reconhecimento em vida às histórias e conquistas das guerreiras nordestinas. “Consideramos sua dedicação ao Nordeste estudando planejamentos estratégicos para o desenvolvimento dessa região. Além disso, a história das Heroínas de Tejucupapo se confunde com a história de Tânia”, enfatizou.

Antes da entrega do prêmio, houve um recital em alusão a batalha das Heroínas. A interpretação foi da atriz Luciana Lyra, que transformou em sua dissertação de doutorado a história das mulheres do vilarejo de Tejucupapo, em Goiana. O ministro da Integração, Fernando Bezerra Coelho, declarou que Tânia “ofereceu sua contribuição à minha gestão quando secretário de Pernambuco. Suas orientações foram úteis na formulação de políticas públicas para colocar o Estado na posição que está. Como ministro, estamos nos valendo do talento de Tânia para construir propostas de gestão”, afirmou.

Segundo Tânia Bacelar, a origem do prêmio é para quem se destacou no Nordeste e “essa região sempre foi meu objeto de estudo e trabalho, principalmente, durante os 20 anos que passei Sudene, entre 1966 a 2006. Me sinto honrada com o reconhecimento do meu trabalho”, contou.

Leia a seguir o discurso de Tânia:

Minhas palavras iniciais são de agradecimento

Introdução

Como o critério deve ter sido o trabalho que venho realizando ao longo de minha vida profissional, vou aproveitar a oportunidade para usar este tempo que me é dado, para falar de meu principal objeto de estudo e de trabalho: o Nordeste brasileiro.

As mudanças no Nordeste

Olhando o Nordeste que conheci ao entrar na SUDENE no final dos anos 60 não dá para negar que mudanças importantes se verificaram.

O avanço da indústria e do terciário moderno nas grandes cidades – que também cresceram e se modernizaram, ao mesmo tempo em que reproduziram o padrão de miséria que marca todas as periferias urbanas do país -, é visível a olho nu.

O surgimento de novas e modernas bases agrícolas, nos vales de nossos principais rios ou na porção nordestina do cerrado brasileiro criou novas frentes de expansão econômica que atraíram muita gente daqui e de fora. Os gaúchos que o digam.

Outra mudança importantíssima foi o desmonte da velha estrutura montada no semi-árido, com o fim do algodão. E a busca de novos rumos para este imenso território, agora tendo em mente a “convivência com a realidade da caatinga”, mesmo estando ela ameaçada pelo avanço da desertificação em tempos de aquecimento global… Desmonte que fragilizou as bases políticas dos herdeiros dos velhos coronéis…

Igualmente relevante foi a redução do peso econômico (e político) de outro velho complexo: o sucro – alcooleiro, que perdeu importância na economia da região e que assistiu a seu deslocamento para as terras do Sudeste e Centro –Oeste, hoje lideres nacionais na produção do etanol.

O Nordeste promoveu também o desenvolvimento de numerosas bases econômicas locais, algumas delas articuladas no mercado nacional e até mundial, fruto da capacidade empreendedora de nossa gente. Gente que não se entrega, mesmo vivendo em um contexto nada favorável, nem se deixa abater pela leitura preconceituosa dos que pensam que aqui só existe miséria e submissão aos poderosos.

O fim da seca como drama social é outra mudança que veio com o avanço das políticas sociais no Brasil redemocratizado.

A Constituinte, em 1988, estendeu a Previdência ao meio rural e cobriu os velhos com o manto protetor do Estado. E o programa Bolsa Família alargou o cobertor, apesar das criticas dos conservadores.

No inicio do século XXI, com o país retomando seu crescimento puxado pela dinâmica do consumo popular, o Nordeste, junto com o Norte, foi positivamente afetado. Lidera as vendas no comercio varejista desde 2003…

E o consumo dinâmico atraiu o investimento: que o digam o BNDES e o BNB…

Assim, o NE viu o emprego formal crescer a taxas superiores às do Sudeste e Sul ( 6,3% contra 5% , entre 2002 e 2010, segundo a RAIS) e o rendimento familiar real da sua PEA crescer acima da media nacional ( 6,2% versus 4,5%, segundo a PNAD).

Viu a Petrobras trazer 3 das suas novas refinarias para a região e usar seu poder de compra para levar estaleiros a PE, MA, BA e AL.

Viu as Universidades se interiorizarem, mudando a fisionomia de varias cidades media da região, e abrigarem alguns Institutos Nacionais de Pesquisa em áreas de ponta do conhecimento: como o de Neurociências ( na UFRN) e Fármacos ( na UFPE).

Viu sua infra- estrutura econômica melhorar, como novos modernos portos e aeroportos, com a duplicação de rodovias estratégicas como a BR 101, ou com a construção da ferrovia Transnordestina ( velho sonho, que ainda está incompleto, pois precisa passar de Eliseu Martins para chegar na Norte-Sul).

Mas há muitas resistências a superar e obstáculos a vencer

A velha estrutura fundiária é a maior peça de resistência. Quase um tabu. Os avanços são marginais, apesar da luta dos movimentos sociais. E a melhoria da vida de muitos nordestinos esbarra aí.

O ensino fundamental de qualidade é outro velho obstáculo a um verdadeiro avanço social: se expande quantitativamente, mas o IDEB coloca a região em lugar vergonhoso. Principalmente para as necessidades do século XXI.

Mas há novos desafios a enfrentar

O pré- sal é um dos novos desafios. O setor de petróleo e gás já lidera o investimento na indústria do país e vai ampliar seu peso na dinâmica da economia nacional nas próximas décadas. E deve estimular uma interessante cadeia de fornecedores. O problema é que 2/3 dos atuais produtores desta rede de fornecimento está no Sudeste. O pré sal pode atuar como um vetor de reconcentração industrial nas áreas mais ricas do país. Estudo do CEDEPLAR/UFMG sobre os impactos regionais do PAC 2 ( que já inclui os resultados iniciais da exploração do pré-sal) já sinaliza nesta direção. Pernambuco percebeu tal ameaça e tenta estruturar o SUAPE GLOBAL como forma de se credenciar como pólo nacional de fornecimento de equipamentos e serviços a indústria do petróleo e gás. Mas o esforço necessário é muito maior! Aqui e em outros Estados do NE.

Outro desafio, ainda na área de energia, é o de fazer avançar na região a produção de energias renováveis , como a eólica , a solar, a biomassa, etc. Há esforços nesse sentido e avanços iniciais, mas o desafio é muito maior.

A integração sulamericana também fustiga o Nordeste. O Brasil já decidiu ampliar sua integração com os vizinhos da America do Sul e o projeto IIRSA é a concretização de investimentos que visam ampliar a integração física da região, via investimentos estratégicos em infra-estrutura de logística. O Nordeste está fora da IIRSA, cujo mapa atual de investimentos não inclui nada em nossa região.

Estes são alguns dos novos desafios.

Mas há um antigo: vencer o hiato entre o padrão de vida da maioria dos nordestinos e a da grande parte dos demais brasileiros. Aqui ainda estão 60% dos mais pobres do país, destacou o recém lançado Programa de Erradicação da Miséria.

De que serviram tantos avanços, se a vida concreta de tantos nordestinos ainda é tão precária? Se as oportunidades não lhe chegam?

Ainda há muito a fazer! E espero que prêmios como este estimulem as pessoas a lutar por um Nordeste melhor. Por isso dedico o que ora recebo aos que não se acomodam com algumas melhorias, não se contentam com migalhas (como faziam nossos velhos oligarcas… Continuam querendo mais avanços… Muito mais!

Obrigada!

DO BLOG DO PAULO HENRIQUE AMORIM

Anúncios